terça-feira, 10 de julho de 2012

Eduardo Costa fala sobre o novo CD, “Pecado de Amor”


No mês passado, foi lançado “Pecado de Amor”, o novo CD do Eduardo Costa.
São 16 canções, muitas delas já cantadas em alguma época por outros sertanejos. O estilão continua o mesmo. Romântico, com suas intepretações bastante peculiares, e com espaço crescente para batidas de samba, algo que o cantor sempre admitiu gostar.
O CD, produzido por César Augusto, conta com a participação de Alexandre Pires na faixa “Presente de Aniversário”.
Eduardo, ao que parece e pelo que ele responde na entrevista, já não se importa muito com crítica. Passa a impressão de ter que ser artista popular é bem melhor que ser “o” artista da mídia, mesmo tendo feito, intencionalmente, mais televisão nos últimos meses.

entrevista de Eduardo Costa para o Universo sertanejo

O que esperar do novo CD do Eduardo Costa?
A gente tá num momento bom da música sertaneja, público crescendo, muita gente aparecendo. O meu CD é a cara do meu público, eu fiz e sempre faço pensando na pessoa que vai no meu show, que canta junto comigo. O artista tem que agradar aquela pessoa que gosta dele, que compra o CD, que vai no show, o resto não importa. Eu acho que consegui escolher um repertório muito legal não só pra quem gosta de música sertaneja, mas pra quem gosta de música no geral. É um trabalho muito bem produzido, pensado, nada feito na correria. Acho que tá bem a cara do Eduardo Costa de hoje.
Você sempre gostou muito de regravar o “lado B” de artistas conhecidos, tanto que o projeto “No Boteco” era basicamente isso. No novo CD, também há algumas canções que pouca gente vai se lembrar que já foram gravadas antigamente. De onde vem esse gosto?
Tem muita música que fica perdida na carreira dos artistas. Todos eles têm, Chitão, Rionegro, Leonardo, sempre alguma música muito boa passa batido nos CD’s. Como eu ouvi música demais nos anos 1990, eu sempre guardei muitas dessas músicas na cabeça. Tenho um monte ainda que eu vou usar em outros discos, mas nesse agora especialmente eu resolvi puxar umas lá de trás. Eu acho muito legal isso. O povo ouve, tem aquela impressão de que já ouviu antes, mas não consegue lembrar de onde é. Gosto bastante de fazer isso.
Mas você tem essas música anotadas em algum lugar?
Não, nada. É na cabeça mesmo. Quando eu paro pra lembrar de música, pra pensar em repertório, são essas músicas que aparecem. De tanto que eu ouvi e gostei, nunca esqueço delas.
Há uma participação especial no seu CD, que é do Alexandre Pires. Como surgiu a ideia de ele participar?
O Alexandre é meu amigo pessoal, mesmo. Eu já gravei com o Chitão, Zezé, Belo, Amado, Chico Rey, e tenho a intenção de conseguir gravar com todo mundo que eu admiro. Já fazia tempo que eu pensava no Alexandre, e aí quando eu compus o “Presente de Aniversário”, que é um samba, tive certeza que era a música que a gente tinha que gravar junto.
O fato de você ser um artista popular faz com que seus CD’s sempre tenham destaque entre os produtos piratas…
Cara, você sabe da minha história, sabe que a pirataria acabou me divulgando muito, mas eu ainda tenho uma relação antiga com o CD. Eu dou muito valor no meu músico, na fase de produção, por isso eu ainda acho legal quando uma pessoa vai na loja e compra o produto. Claro que eu sei da realidade, eu vivo esse mercado todo, mas é uma coisa mais pessoal mesmo gostar do ato de comprar o CD. Sei que o que importa no final das contas é que a pessoa ouça minha música.
Em meio ao ‘novo’ sertanejo, você segue fazendo a linha romântica que acabou ficando em segundo plano no mercado, tanto que igual a você, não há quase ninguém investindo no estilo…
Eu acho que tem espaço pra quem queira investir na música romântica, mas é uma questão também de apostar e se dedicar, é um estilo como outro qualquer. Tem algo que o universitário influenciou bastante que é reduzir os tons mais agudos. O pessoal dessa nova geração não tem o costume de cantar com aqueles agudos lá em cima, e isso acaba influenciando a turma que vai surgindo, e o interesse pela música romântica, cheia de interpretação, acaba diminuindo. Pra cantar o tipo de música que eu canto, o agudo é fundamental. Acho que tem espaço pra tudo sim, o sertanejo tá muito aberto hoje pra todo mundo.
Você tem algum artistaa pra citar desse estilo que você gosta?
Se tivesse que citar um, eu citaria o Léo Magalhães. Ele também não tá nem aí se chamam de brega, se dizem que é muito simples. Ele é muito bom, canta muito bem. Gosto muito do trabalho que ele vem fazendo. Se ele continuar nessa linha, misturando aquele arrochinha simples do Nordeste com as letras populares, eu acho imbatível.
Compararam muito o Léo a você no começo da carreira…
Isso é bobagem. O povo compara, fica arrumando intriga em tudo. Tem mais é que aparecer cada vez mais gente apostando em música pro povo.
Você parece ter mudado um pouco em relação a críticas, não fica mais dando respostas, não parece arredio. Você resolveu se controlar ou realmente deixou de se importar?
Passei dessa fase, sinceramente. Eu sou antenado com o que falam, presto atenção quando vejo que a crítica é construtiva. Posso até nem gostar, mas paro pra pensar depois se aquilo que alguém disse faz sentido. O que eu deixei de dar importância mesmo é pra quem fala mal só por falar. Tô nem aí mesmo. Eu tô preocupado com quem gosta de música sertaneja, com quem vai pegar meu CD com a intenção de curtir minhas músicas novas. Hoje, se o cara falar algo que não me acrescenta em nada, eu realmente não tô nem ligando.
Você é figura mais presente hoje nos programas de televisão do que antigamente. É alguma estratégia nova?
Eu tinha a cabeça um pouco fechada, não achava que a televisão poderia me ajudar muito. Mas esse lance de ser popular faz com que você tenha que aparecer em um programa aqui, outro ali, trabalhar um pouco sua imagem pra te divulgar mais pro povo. Eu dei uma maneirada no jeito de falar em público, tem muita criança que me ouve, muita senhora que é minha fã, então passei sim a me preocupar mais com essa coisa de imagem e de televisão. Sinto que isso tá sendo positivo pra minha carreira. O público gosta.
O que tem chamado muita é sua mudança física, visível por conta das fotos que você publica no Twitter…
Eu quero ser um cara melhor sempre, e nessa coisa de aparência eu precisava mexer. Eu sou um cara muito agitado, você sabe disso, quem me conhece sabe disso. A academia foi um jeito de descontar um pouco essa hiperatividade, comecei a viciar mesmo, me ajudou muito. Como eu gostei do resultado, virou vaidade também. Eu gosto, as fãs gostam, as mulheres gostam, tem que cuidar da aparência mesmo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...